O preconceito de alguns profissionais com o CrossFit

O preconceito de alguns profissionais com o CrossFit

Esse não é mais um artigo clássico tentando defender que o CrossFit não lesiona. Pois pode lesionar sim. Em qualquer esporte se está sujeito a lesões. Mas basta a gente sentir uma dor, nos encaminharmos a um profissional de saúde e falarmos que fazemos CrossFit e pronto, vem a mesma ladainha: “você vai se matar fazendo isso, vai se machucar todo...”.Primeiro a gente escuta um sermão, depois vem o atendimento. CLARO QUE ISSO NÃO É UMA REGRA NO MEIO, escrevo isso analisando a minha experiência e a de meus amigos. E há grandes e importantes exceções, e são essas exceções que se tornam os profissionais que eu procuro/indico quando tenho problema. E ainda bem que existem essas pessoas, muitos até praticante do CF. Mas, o que me intriga é a pergunta: o que causa tanto preconceito com o CF?
 

Essa é uma pergunta interessante. Muito interessante. E claro que não tenho a resposta exata para isso. Nem teria muito como ter. Mas vou fazer aqui algumas elucubrações com o que imagino ser a resposta a partir da convivência de amigos e de experiência pessoal. E é por esta última que começarei.

Não posso dizer que sempre fui atleta. Quando criança fiz natação e judô. Na faculdade eu parei com tudo e cheguei a pesar incríveis 100 kgs para 1,78 m de altura. Entrei na musculação e comecei a perder peso. Baixei meu peso para 77 kgs. Contudo, sempre convivi com dores na minha vida. Mais velho, fazendo natação, musculação e corrida comecei a sentir dores. Parava de treinar por um tempo até passarem e aí voltava. Só que depois de um tempo tudo se repeti... sentia dores, parava de treinar e voltava. Até que me empolguei com corrida e natação e cogitei duathlon. Treinei um pouco mais pesado e as dores vieram para valer. Descobri que tinha derrame nos dois ombros, nos dois joelhos e nos dois tornozelos. Além de bursite nos ombros. Foi a primeira vez que fui ao médico ver as dores que sentia. Parei tudo e peguei leve apenas na natação, por ordens médicas. Mas fui liberado em breve para voltar para a musculação, apesar da corrida não ser muito recomendada.

Quando fiquei bom de vez, descobri o CrossFit. E algumas dores voltaram. Mas, dessa vez, não queria parar de treinar...quem quer? Continuei a treinar e as coisas ficaram mais graves. A epicondilite medial ficou crônica e tive que ir para a fisioterapia. Fiquei impossibilitado de fazer alguns exercícios por mais de 3 meses. Lição aprendida. Assim, sempre sentia uma dor, já me apressava a ir me tratar antes que piorasse, para eu não precisar parar de treinar. E em cada novo tratamento de fisio uma situação se repetia: quando descobriam que fazia CF, o susto era grande e recomendavam que parasse para sempre. Coisa que nunca havia acontecido quando fazia musculação.

Aí eu pergunto....o problema seria mesmo o CrossFit?

Não, o problema sou eu mesmo. Eu tenho que tomar mais cuidado e respeitar meu corpo. E hoje tenho feito isso muito mais do que fazia quando praticava outros esportes. Não ignoro qualquer dor. Vou ao ortopedista e ao fisioterapeuta e a quem mais precisar. E vou logo que a dor começa. Na verdade, eu cuido muito mais do meu corpo agora do que cuidava antes. Claro, antes eu parava de treinar e agora não quero. Então para não parar, outros cuidados precisam ser tomados. Portanto, eu e muitos de meus amigos acabamos fazendo fisioterapia de forma preventiva. Então isso com certeza aumenta a sensação de alguns que o CF lesiona mais que os outros esportes.

Outra coisa que ajuda é a nossa própria teimosia em simplesmente não escutar o nosso corpo e não parar de treinar. Exatamente como eu fiz anteriormente como meu cotovelo, o que me prejudicou muito mais posteriormente. Todo coach fala para escutar o próprio corpo, mas quem de fato faz isso com o vício tão grande que temos? E não, não vou entrar no mérito do mal coach ou profissional de CrossFit, isso por que isso existe em todo e qualquer esporte.

Um terceiro motivo é a falta de estudos científicos sobre o assunto. O primeiro grande estudo sobre o assunto falava que o CFtinha um altíssimo índice de lesão. Posteriormente, após um longo processo da CrossFit já falado aqui, viu-se graves problemas no artigo em questão e ele foi retirado pela revista e o pesquisador "forçado" a se demitir. Alguns estudos mostram que, na verdade, a relação de lesão não é maior do que em esportes como levantamento de peso e ginástica. Mas o esporte se popularizou há pouco tempo e por isso ainda se faz necessário muitos estudos sobre o assunto.

Por fim, a falta de conhecimento do esporte por alguns profissionais sobre o CF. Eles vem as pessoas chegando em seus consultórios e não se preocupam em saber se o problema foi causado pelo esporte ou não. Simplesmente assumem que a culpa é do CrossFit. E aí vem o sermão. Agora, se é para fazer uma cirurgia no joelho do paciente que rompeu o tendão jogando futebol, aí não tem sermão. Acontece né....só que lesão assim acontece bastante no futebol. Mas ninguém reclama, afinal o esporte é paixão nacional, né?

Não há vergonha em ser scale

Não há vergonha em ser scale

Receita - Batata doce duplamente assada

Receita - Batata doce duplamente assada