Ela foi a primeira colocada no mundo no CrossFit Open 2018: Conheça Cassidy Lance-Mcwherter

Ela foi a primeira colocada no mundo no CrossFit Open 2018: Conheça Cassidy Lance-Mcwherter

Ela já tinha ido a três CrossFit Games consecutivos, em 2013, 2014 e 2015. Em 2016, viu suas chances de retorno acabarem por apenas 9 pontos nos regionais. Ela foi ao Games aquele ano, mas como parte do time de demonstração e, depois disso, decidiu que só quer voltar se for competindo mesmo. E foi o que ela fez, ficou em 5º no Open em 2017, ganhou pela primeira vez seu regional e terminou os Games em 12º lugar. Agora, ela acaba de ganhar o Open mundialmente em 2018 e vai vir com tudo para disputar um pódio nos CrossFit Games. Conheça Cassidy Lance-Mcwherter.

Nome: Cassidy Lance-Mcwherter
Onde treina? Sou a proprietária da CrossFit Waterside
Há quanto tempo treina? Desde 2009
Qual seu benchmark favorito? Ooooo....eu gosto de todos
Qual seu ponto forte no CrossFit? Barbell cycling e ginástica
Qual seu ponto fraco no CrossFit? Eu odeio dizer isso mas corrida e remo.
Quais são as três coisas que você carrega na sua bolsa de academia? Corda eve da RxSmart Gear, grips da Victory e protetor de dedão.

HC: A maior parte dos atletas de elite tem um background em algum esporte. Qual seria o seu?

CL-M: Eu cresci fazendo ginástica e competi na Universidade de Washington com uma bolsa de estudos completa.

HC: Como você se prepara todo ano como atleta? Qual a sua rotina diária de treinos? Muda perto do Open, Regionais e Games? Quem faz a sua periodização?

CL-M: Eu deixo meus coaches decidirem o planejamento. Eu estou com Chad Vaughn e Dave Durante por 4 anos e com o Matt McCraney por 7 anos. Eu confio neles e no que eles estão fazendo por mim. Eu nunca questiono o planejamento. É melhor assim. Eu treino de segunda a quarta, das 10 horas ao meio dia, sextas e sábados das 10 horas ao meio dia. Quinta e domingo são rest days completos. Meu período de treinamento não muda com o ano, mas o tipo de WODs sim. Agora eu estou fazendo WODs nos estilos dos regionais e Games.

HC: Quão sério você leva a sua nutrição? Você segue uma dieta rigorosa?

CL-M: Nutrição é muito importante. Você tem que cuidar o que você coloca no seu corpo. Eu uso o “WAG” para me ajudar a guiar o que consumo e uso o “Eat The 80” para me dar combustível o ano todo. Eu também acredito num estilo de vida balanceado, enquanto que durante a semana eu sigo uma dieta muito restrita e calculada, nos sábados à noite eu sempre tenho uma noite de encontro e gosto de comer em lugares novos pela cidade. Sou apaixonada por comida. Amo uma boa comida e um bom vinho.

HC: Você foi aos Games em 2013, 2014 e 2015 e perdeu a chance de ir em 2016 por apenas 9 pontos nos regionais. O que passou pela sua cabeça aquele ano? Você chegou a cogitar parar de competir?

CL-M: Eu precisei até o Novembro daquele ano para decidir se eu ia competir de novo. Foi muito duro. Eu esperava ir ao Games aquele ano. Quando eu não fui, foi um choque. Minha mentalidade mudou, eu não vou voltar para aquele lugar. Eu trabalho por isso todo dia.

HC: Você voltou mais forte em 2017, não apenas terminando em 5 no open mundial, mas também ganhando seus regionais aquele ano e terminando em 12º no Games, sua segunda melhor posição da carreira. O que mudou em 2017 que você considerou um ponto da virada?

CL-M: Eu não queria fazer parte do Demo Team de novo. Eu coloquei minhas prioridades em ordem. Por que eu queria competir, e eu estava apenas indo competir, ou estava dando o meu melhor. Todo mundo põe seu esforço diário, mas o que faz a diferença para cada atleta pessoalmente? Para mim eu queria me divertir muito, e me divertir envolve dar o meu melhor absoluto e saber que eu dei tudo que tinha. Eu passei a me divertir muito quando não conseguia mais sair do chão. Por competir com meus colegas da academia, nós desfrutamos o processo e quando chegou a hora, parece que deu certo! Então quando eu estou na competição, eu me lembro que é como uma corrida no CrossFit WaterSide. Eu tenho fotos minhas rindo durante os WODs e é por que isso é normal com a gente. Todos nós queremos competir, mas essa é uma parte muito pequena do processo.

HC: Parabéns por ganhar o Open esse ano! Era algo que você buscava? Quantas vezes você fez cada workout e como se preparou para eles?

CL-M: Eu honestamente comecei o Open falando “Eu estou tão nervosa pois não estou numa forma física tão boa quanto ano passado nesse ponto”. E ganhar não era meu objetivo. Meu objetivo é sempre estar no Top 10 da região que eu qualifico para estar na última bateria dos regionais. Eu fiz dois workouts duas vezes, um por que eu fiz 3 burpees a mais hahaha eu não conto muito bem. E o segundo por que eu fiquei fora do frame durante o vídeo. Eu uso o Open como um dia de treino. Eu ainda assim fiz LPO e meu segundo treino. Também faria ginástica tinha esse dia se precisasse, ou era empurrado para o dia seguinte.

HC: De todas as mulheres que ganharam o Open, 3 não terminaram no top 10 no CF Games. Isso é um bom sinal, pois desde de 2014 você termina fora do top 10. Podemos esperar um pódio esse ano? O que podemos esperar de Cassidy Lance-Mcwherter na temporada de 2018?

 CL-M: Essa é uma temporada longa. Nós começamos em Fevereiro e continuamos até Agosto. Eu tenho muito trabalho a fazer. E muito tempo. Mas eu posso dizer que estou trabalhando muito forte para me colocar no melhor cenário possível para aquele pódio.

FULL ENGLISH VERSION

Name:  Cassidy Lance-Mcwherter
Which CrossFit affiliate do you train? I own CrossFIt WaterSide
How long have you been training CrossFit? since 2009
What is your favorite Benchmark? ooo.. I like them all
What is your strength in CrossFit? Barbell cycling and gymnastics
What is your weakness in CrossFit? I hate to say it but running, rowing. 
What are the 3 must carry objects in your gym bag? RxSmart Gear eve rope, victory grips, and nubs

HC: Most elite CrossFit athletes have a sport background. What is your sports background and how CrossFit came into your life?

CL-M: I grew up doing gymnastics and competed at the University of Washington on a full ride scholarship.

HC: How do you prepare yourself every year as an athlete? What is your daily training schedule? Does it change close to the Open, Regional and Games? Who does your programming?

CL-M: I let my coaches decide the plan. I’ve been with Chad Vaughn, Dave Durante for 4 years and Matt McCraney for 7 years. I trust them and what they are doing for me. I never once question the plan. It’s better that way. I train M-W, F and S 10am-12pm Th and sunday complete rest. My training times do not change throughout the year, but the type of wods will. Right now we are in full regional and games style wods. 

HC: How serious do you take nutrition? Do you follow a very strict diet?

CL-M: Nutrition is very very important. It is a full time job. You have to watch what you put into your body. I use WAG to help guide my intake and use Eat The 80 to help fuel me throughout the year. I also believe in a balanced lifestyle, while during the week it is important to be very strict and calculated, on saturday night I always have a date night and enjoy eating at new places around town. Im a big foodie. I love good good food and wine!

HC: You went to the Games in 2013, 2014, 2015 and ended up missing going to the Games by just 9 points in 2016 in the regionals. What went through your mind that year?  Did you ever considered quitting competing?

CL-M: It took me until the following November to decide if I was going to compete again. It is very hard. I expected to make it that year. When I didn’t I was in shock. My mind set has changed, I will not go back to that place. I work for it everyday.

HC: You came back stronger in 2017, not only finishing in 5th in the open, but also winning the Regionals that year and finishing in 12th in the Games, your second best placement ever. What changed in 2017 that you considered a turning point?

CL-M: I didn’t want to be on the demo team haha. I really had to put my priorities in order. Why did I want to compete, and was I just going to compete, or was I going to make the most out of it. Everyone puts in work every day but what is going to make the difference for each athlete personally? For me I wanted to have so much fun, and having fun for me was doing my absolute best and knowing I gave it my all. I started having a lot of fun when I couldn’t get off the floor. By racing my competitors in the gym, we enjoyed the process and when it came down to it, well I guess it worked! So when I was on the competition floor I just reminded myself I was racing at WaterSide. I have pictures of my laughing during wods, and thats because that was normal for us. We all want to compete but that is such a small part of the process. 

HC: Congratulations on winning the Open this year! Was it something you were looking for? How many times you do the Open workout and how do you prepare yourself for them?

CL-M: I honestly went into the open saying “I’m so nervous I am not as in good as shape as I was last year at this point” Or so I felt. That was not my goal. My goal is always to be top ten in the region to qualify for the last heat at regionals. I did two workouts twice, one because I completing did 3 extra burpees haha I can’t count very well. And the second was because I went out of the frame during the video. I used the open as a training day. I still lifted and I still did my second wod. Gymnastics was on this day if I needed to make it up, otherwise it was pushed to the next day. 
 
HC: From all the women that won the Open, only 3 of them did not finish that in the top 10 in the CF Games. This is good for you, since 2014 you finish outside the top 10. Can we look for a podium this year? What can we expect from Cassidy Lance-Mcwherther in the 2018 season?

 CL-M: This is a very long season. We start in February and continue until August. I have a lot of work to do. I have a lot of time. But I can tell you I am working extremely hard to put myself in the best possible position for that podium! 

 

Entendendo o leaderboard nesses dias...

Entendendo o leaderboard nesses dias...

Review do tênis da Reebok Speed TR 2.0

Review do tênis da Reebok Speed TR 2.0