Ele é o coach de muitos atletas de elite no CrossFit: Conheça CJ Martin

Ele é o coach de muitos atletas de elite no CrossFit: Conheça CJ Martin

Imagine você como coach ter, no seu currículo, atletas como Josh Bridges, Camille Leblanc-Bazinet, Sam Dancer, Garret Fisher, Lauren Fisher, Kristin Holte além de muitos outros atletas de elite? Pois CJ Martin é esse cara. Além disso, ele é o dono de uma das mais conhecidas boxes do mundo: a CrossFit Invictus, que já levou a taça do CrossFit Games na categoria times também. Você ainda ficaria surpreso se eu te dissesse que ele conseguiu classificar 3 times diferentes esse ano para uma das regionais mais concorridas, a West Regional? Sim, CJ Martin é um cara impressionante e um nome de peso no esporte. Ele gentilmente concedeu essa entrevista para a gente que é uma verdadeira aula do nosso esporte!

HC: Vamos coomeçar do bem do começo. Quando e como você se involveu com o CrossFit? E quando surgiu a Invictus?

CJM: Eu comecei a checar o CrossFit no final de 2006, e tinha me jogado completamente em janeiro de 2007. Eu tive uma grande oportunidade de aprender com alguns dos [coaches] originais do CrossFit, porque muitos dos seminários do CrossFit Lvl 1 aconteceram em San Diego, Califórnia - e por causa de nossa proximidade com a base da Marinha onde os SEALs na Costa Oeste treinam. Eu estava tão animado em encontrar o CrossFit que me joguei nele. Eu voltei e muito rapidamente li todos os artigos do CrossFit Journal já publicados ao longo de alguns meses. Depois que eu terminei os artigos do CrossFit Journal, comecei a trabalhar mais em periódicos de força e condicionamento. Eu comecei a treinar mais por necessidade do que desejo. Os donos da academia que eu estava treinando mudaram-se para ficar mais perto do [Gerg] Glassman, então eu peguei uma chave para abrir para os outros, e eventualmente comecei a fazer o design do programa, website, etc ... tudo enquanto mantinha minha carreira como um litigante de fraude de valores mobiliários. Eu sacrifiquei minha saúde tentando conciliar minha carreira com minha paixão pelo coaching. Eu estava dormindo de 4 a 4,5 horas por noite por aproximadamente 18 meses antes de perceber que, se estivesse disposto a sacrificar minha saúde por essa paixão, deveria dar o salto e dar toda a minha atenção. Foi assim que a Invictus nasceu ... Deixei o emprego como advogado e me dediquei a me tornar o melhor treinador que poderia ser.

HC: Invictus se tornou uma fábrica de incríveis atletas dos CrossFit Games. O que você acha que diferencia os seus atletas de outros competidores dos games?

CJM: Criamos atletas de alto nível tratando-os da mesma maneira que tratamos nossos outros membros da academia; nós fornecemos educação, apoio e encorajamento. Educação vem de treinadores que são dedicados, profissionais em tempo integral. Nós os apoiamos com uma equipe de profissionais de saúde e especialistas que podem garantir que todos os aspectos de sua saúde física e emocional sejam atendidos. Finalmente, e talvez mais importante, nós fornecemos encorajamento através de uma comunidade incomparável. Nossos atletas, como nossos membros da academia, treinam em equipe em um grande grupo. Fazemos ajustes individuais nos programas para garantir que os atletas recebam o que precisam especificamente de suas forças, fraquezas e objetivos atléticos, mas fazemos tudo ao nosso alcance para mantê-los no ambiente do grupo. É verdade que uma maré alta eleva todos os barcos e comprovamos isso há 10 anos com nosso programa de desenvolvimento de atletas. Também damos prioridade ao ajudar os atletas a entender a importância de cultivar uma mentalidade inconquistável - uma mentalidade Invictus. Eu acho que essa é a característica definidora dos melhores atletas do mundo. Há muitos atletas fenomenais nesse esporte, mas é o mais mentalmente resiliente que chega ao topo. Eu acredito que a razão para isso é que esse esporte recompensa o sofrimento. Eu cresci em esportes de combate, e quando entrei no ringue, meu objetivo era simples - acabar com a luta antes de sofrer algum dano. Mas CrossFit é diferente, se você quiser fazer bem, você tem que entrar na arena disposto a suportar mais dor e desconforto do que qualquer outro atleta no chão da arena. Se você não é forte mentalmente e não sabe exatamente por que adora fazer isso, nunca terá sucesso nesse esporte.

HC: Claro que além de atletas incríveis, você também tem pessoas normais na sua box. Você programa focando em todos? Como você diferencia a sua periodização para atletas de níveis diferentes?

CJM: Oferecemos programação baseada em metas para os membros da nossa academia. Nossa primeira pergunta como treinadores é “como podemos ajudar?”; Precisamos conhecer as metas de nossos clientes antes mesmo de começar a assisti-las. Mesmo que eu ame o CrossFit e o Levantamento de Peso Olímpico, também reconheci que a um novo PR de levantamento terra ou snatch não atendia às necessidades de todos os nossos membros. Veja meus pais, por exemplo, seus objetivos são viver vidas longas e saudáveis e ter energia para perseguir seus netos por muitos anos ... e seu treinamento precisa refletir seus objetivos. Eu também vi os membros que tinham o desejo de competir, mas as necessidades do competidor são muito diferentes do que é previsto em um programa geral de preparação física. Assim, criamos três programas que funcionam durante todo o dia em nossas academias - Performance, que é o que mais se parece com um programa tradicional CrossFit; Fitness, que se baseia mais em torno de um modelo de composição corporal com movimentos simples, menos dinâmicos e intervalos de repetição mais altos; e Competição, que é especificamente projetado e periodizado para o atleta que quer competir no esporte de fitness.

HC: Quais são as 3 qualidades maias importantes que um competidor tem que ter para ir longe?

CJM: Há uma certa quantidade de atletismo que é pré-codificado em nossa genética. Não temos controle sobre algumas dessas características inatas, então me concentro no que podemos controlar e influenciar. Para mim, as características aprendidas mais importantes dos atletas de alto nível são consistência e confiança. Consistência é o atributo mais negligenciado, não apenas para atletas, mas também para cônjuges, amigos, funcionários, etc. Consistência significa que você rotineiramente faz as coisas que são importantes para você; você vai dormir em vez de assistir TV tarde da noite, meditar / visualizar para preparar sua mente em vez de dormir em mais 20 minutos, alongar e aquecer adequadamente, etc…. Atletas que são consistentes constroem ímpeto e, a partir do ímpeto, ganham confiança e acreditam no processo. Atletas que confiam em suas habilidades e no processo que realizaram são mais resilientes e menos propensos a serem dissuadidos por dúvidas e pessimistas. Eu acho que consistência e confiança andam de mãos dadas. Atletas que não são consistentes sabem, no fundo, que não se prepararam tão bem quanto deveriam, e essa dúvida destrói sua confiança. Talvez o atleta mais consistente com quem já trabalhei seja Kristin Holte. Ela estabelece metas, define as práticas que lhe permitirão atingir esses objetivos e as ataca com uma consistência que é muito rara. Sua consistência permitiu-lhe melhorar a cada ano de competição e transformou-a em uma força absoluta no esporte.

HC: Muito já se falou sobre a mentalidade de um competidor. Na sua opinião, qual é a mentalidade de um competidor? Podemos nos treinar para ter uma?

CJM: A Invictus nasceu da ideia de que podemos ensinar lições sobre a vida e o desenvolvimento do caráter através do fitness. O fitness nos permite estabelecer metas, nos colocar em situações desconfortáveis através de treinamento rigoroso, superar obstáculos e alcançar objetivos que pareciam impossíveis. Esse processo cria impulso em nossas vidas para alcançar objetivos fora do domínio do fitness. O que nos esforçamos para criar na Invictus é uma mentalidade e compreensão de que controlamos nosso próprio destino e que nenhuma circunstância externa pode nos definir; mesmo quando as coisas estão terrivelmente erradas, elas não podem quebrar nosso espírito ou nos impedir de avançar para alcançar a missão de nossa vida. Este ethos é capturado pelo poema Invictus de William Ernest Henley. Henley escreveu o poema em circunstâncias horríveis, acamado e lutando para salvar sua perna restante da tuberculose óssea, e foi seu manifesto que nada quebraria seu espírito. Ele finalmente ganhou sua luta, manteve a perna e continuou com uma carreira muito bem sucedida como poeta e influenciador de sua época. Não acho que essa mentalidade seja exclusiva dos competidores, você a vê em pessoas de diferentes esferas da vida. A perspectiva e resiliência de um indivíduo durante os piores momentos é a diferença entre aqueles que têm sucesso e aqueles que sucumbem. A mentalidade Invictus é um compromisso para manter o controle de seu destino sem levar em conta os obstáculos e dificuldades que estão em seu caminho. Ajudar os outros a entender isso é a coisa mais importante que podemos fazer na Invictus, e essa é a razão pela qual nossa primeira publicação sobre nossos princípios de treinamento foi “O Invictus Mindset.” Também traduzimos o e-book para Português para nossos amigos no Brasil depois que nós fizemos alguns Acampamentos de Atletas aí embaixo. Você pode encontrar isso aqui: https://www.crossfitinvictus.com/the-invictus-mindset-book

HC: O CrossFit evoluiu muito nos últimos anos e o nível de competição aumentou enormemente. Menos de 10 anos atrás, quando Amanda apareceu nos Jogos, o sofrimento com Muscle ups e squat snatches foi real. Hoje em dia, muitos freqüentadores regulares de academia podem fazer Amanda em menos tempo do que os atletas fizeram em 2010. Para onde podemos ir daqui? Onde você acha que estaremos em 2028?

CJM: Acredito que o CrossFit continuará a evoluir como um esporte. Acho que começamos a ver um pouco de platô em termos das melhorias exponenciais dos atletas de alto nível no esporte. Atletas e metodologias de treinamento continuarão a melhorar e evoluir, mas acho que os anos em que vemos alguém saindo do nada para ganhar o CrossFit Games ou ver atletas melhorando em 20% ano após ano ficaram para trás. Essa curva de crescimento ainda está acontecendo em áreas do mundo onde o CrossFit foi adotado mais tarde, como o Brasil e a Europa.

HC: O CrossFit sempre valorizou a intensidade em relação ao volume. Sabemos que os atletas treinam 2 ou 3 vezes ao dia. E vemos muitos jovens atletas trabalhando muito para evoluir rapidamente. Você acha que esta é uma tendência contínua, mesmo para o freqüentador regular de ginásio, para um aumento do volume de treinamento?

CJM: Eu acho que é uma tendência perigosa. Na verdade, estou mais preocupado com os jovens atletas que estão entrando em programas de alto volume antes de ganharem a fundação para apoiar o volume. Em muitas regiões, vimos muito poucos novos talentos entrando no esporte. Minha preocupação é que o aumento do volume no início da carreira de treinamento de um atleta esteja causando lesões ou esgotamentos antes que eles possam desenvolver a capacidade, a força e a habilidade necessárias para chegar ao nível mais alto do esporte. Se você olhar para atletas como Rebecca Voigt, que começou o CrossFit antes do início do esporte, você veria que ela treinava uma vez por dia em volume moderado durante anos antes de começar a aumentar o volume. Isso também era verdade para Lauren Fisher, que tem apenas 24 anos, mas competiu em sua primeira competição regional em 2012. Quando se mudou para San Diego aos 18 anos, começou a treinar duas vezes por dia apenas duas vezes por semana, e essas segundas sessões eram estritamente Hipertrofia funcional (estilo musculação) para adicionar um pouco de massa magra e estabilidade à parte superior do corpo. Seu volume progrediu muito lentamente, levando a uma temporada de 2014 incrivelmente bem-sucedida. Infelizmente, Lauren caiu de uma subida de corda duas semanas antes das regionais de 2015 e sofreu uma grave lesão no tornozelo. Nós não sabíamos a extensão da lesão até que ela competiu no individual nos Games de 2016 e percebemos que ela precisaria de um reparo cirúrgico muito invasivo, o qual ela fez em setembro de 2016 e ainda conseguiu de alguma forma voltar para os CrossFit Games.

Não acredito que aumentar o volume seja inteligente para frequentadores regulares de academia, e não vejo isso como uma tendência a se preocupar. A maioria dos freqüentadores de academias regulares tem famílias, carreiras e outros hobbies para se preocupar. A menos que você esteja falando sério sobre competir no esporte, é melhor lembrar um dos principais ditados do CrossFit - “Aprenda e pratique novos esportes regularmente”. Desenvolva sua condição física no ginásio para que você possa usá-lo em uma ampla variedade de atividades na sua vida.

HC: Eu sei que essa é uma pergunta injusta, como escolher qual filho você gosta mais, mas qual atleta masculino e qual atleta feminino você mais gosta de treinar e porque?

CJM: Ha! Eu não posso culpá-lo por perguntar, mas eu não posso responder isso. Todos os nossos atletas são diferentes e cada um deles me ensina muito. Posso dizer que aprendi mais treinando Josh Bridges e Camille Leblanc-Bazinet do que eu poderia imaginar. Comecei a trabalhar com Josh em 2010 e Camille em 2011, e eles estavam quebrando todas as expectativas que eu tinha do que era possível. Josh exemplificou o atleta mentalmente resistente, e sem as lições que ele me ensinou sobre sua mentalidade competitiva, eu nunca poderia ter evoluído para o treinador que sou agora. Kristin Holte promoveu essas lições e, como mencionado acima, ela é a atleta mais consistente e profissional com a qual já tive o prazer de trabalhar. Sua ética de trabalho e compromisso para treinar sua mentalidade é incomparável. Onde muitos atletas sabem o que devem fazer em termos de nutrição, estilo de vida, desenvolvimento de mindset… Kristen realmente faz isso, todo… santo… dia.

HC: Finalmente, que conselho você pode dar a uma jovem atleta que está começando CrossFit e tem o desejo de se tornar um atleta profissional?

CJM: Seja paciente! À medida que o esporte do CrossFit evoluiu, a amplitude e a profundidade das qualidades e habilidades de força necessárias para competir aumentaram. Isso significa que os atletas demoram mais para chegar ao ponto necessário para competir nos níveis mais altos. Os atletas reagiram adicionando mais volume na tentativa de chegar ao resultado, mas você precisa construir a base para desenvolver verdadeiramente o seu potencial máximo. Não se apresse, e não pense que você precisa desenvolver todas as habilidades ao mesmo tempo. Escolha uma área para se concentrar e certifique-se de que você está fazendo um progresso sólido nessa área antes de se preocupar em desenvolver as outras. Para mim, até que um jovem atleta tenha força suficiente, você estará lutando em uma batalha difícil ao força-lo a competir. Provavelmente é onde nossos treinadores ajudam os atletas mais jovens, avaliando onde eles estão e fornecendo um caminho específico para o progresso deles.


FULL ENGLISH VERSION

HC: Let's start from the very beggining. When and how did you get involved with CrossFit? And how did Invictus start?

CJM: I started checking out CrossFit late in 2006, and had fully thrown myself into it by January 2007. I had a great opportunity to learn from some of the CrossFit originals right away because so many of the CrossFit Level 1 seminars took place in San Diego, California – and because of our proximity to the Navy base where the SEALs on the West Coast train. I was so excited to find CrossFit that I threw myself into it. I very quickly went back and read every journal article ever published in the course of a few months. Once I got through the CrossFit Journal articles, I started in on more mainstream strength and conditioning journals. I started coaching more of necessity than desire. The owners of the gym that I was training at moved to be closer to the Glassman’s, so I took a set of keys to open up for others, and eventually started doing the program design, website, etc…all while maintaining my career as a securities fraud litigator. I sacrificed my health trying to juggle my career with my passion for coaching. I was sleeping 4 to 4.5 hours per night for approximately 18 months before I realized that if I was willing to sacrifice my health for this passion, I should make the leap and give it my full attention. That’s how Invictus was born…I quit my job as a lawyer and dedicated myself to becoming the best coach I could be.

HC: Invictus has become a factory of amazing CF Games athletes. What do you think differentiate your athletes from other Games competitors?

CJM: We’ve created top-level athletes by treating them the same way we treat our gym members; we provide education, support and encouragement. Education comes from coaches who are dedicated, full-time professionals. We support them with a team of health professionals and specialists who can ensure that all aspects of their physical and emotional health are tended to. Finally, and maybe most importantly, we provide encouragement through an unparalleled community. Our athletes, like our gym members, train as a team in a large group. We make individual tweaks to programs to make sure athletes are getting what they need specific to their athletic strengths, weaknesses and goals, but we do everything in our power to keep them in the group environment. It’s true that a rising tide lifts all boats, and we’ve proven that for 10 years now with our athlete development program. We also place a priority on helping athletes understand the importance of cultivating an unconquerable mindset - an Invictus mindset. I think that is the defining characteristic for the best athletes in the world. There are a lot of phenomenal athletes in this sport, but it’s the most mentally resilient that rise to the top. I believe the reason for that is that this sport rewards suffering. I grew up in combat sports, and when I stepped into the ring, my goal was simple - end the fight before I suffered any damage. But CrossFit is different, if you want to do well you have to walk into the arena willing to endure more pain and discomfort than any other athlete on the arena floor. If you’re not mentally strong, and if you don’t know exactly why you love doing this, you’ll never succeed in this sport.  

HC: Of course, besides amazing athletes you have non-athletes attending your gym. Do you do the programming focusing on everyone? How do you differentiate training plans for the various athletes levels?

CJM: We offer goal-based programming for the members of our gym. Our first question as coaches is “how can we help?”; we have to know our clients’ goals before we can even begin assisting them. While I loved CrossFit and Olympic Weightlifting, I also recognized that setting a new 1-RM deadlift or snatch didn’t fit the needs of all of our members. Take my parents, for instance, their goals are to live long, healthy lives and have the energy to chase their grandkids around for many years…and their training needs to reflect their goals. I also saw the members who had a desire to compete, but the needs of the competitor are much different than is provided for in a general physical preparedness program. Accordingly, we created three programs that run throughout the day in our gyms - Performance, which is what would look the most like a traditional CrossFit program; Fitness, which is based more around a body composition template with simple, less dynamic movements and higher rep ranges; and Competition, which is specifically designed and periodized for the athlete who wants to compete in the sport of fitness.

HC: What are the three most importante qualities a CrossFit competitor must have to go really far?

CJM: There is a certain amount of athleticism that is pre-coded into our genetics. We have no control over some of those innate characteristics, so I focus on what we can control and influence. For me, the most important learned characteristics of top level athletes are consistency and confidence. Consistency is the most overlooked attribute, not just for athletes, but in spouses, friends, employees, etc…. Consistency means that you routinely do the things that are important to you; you go to sleep instead of watch TV late at night, you meditate/visualize to prepare your mind rather than sleeping in an extra 20 minutes, you stretch and warm-up properly, etc…. Athletes who are consistent build momentum, and from momentum they gain confidence and trust in the process. Athletes who are confident in their abilities and the process they’ve undertaken are more resilient and less likely to be deterred by doubt and naysayers. I think consistency and confidence go hand in hand. Athletes who aren’t consistent know deep down that they haven’t prepared as well as they should have, and that doubt destroys their confidence. Perhaps the most consistent athlete I have ever worked with is Kristin Holte. She sets goals, sets the practices that will allow her to attain those goals, and attacks them with a consistency that is very rare. Her consistency has allowed her to improve every year of competition and has turned her into an absolute force in the sport.

HC: A lot has been said about a competitor's mindset. In your opinion, what is a competitor's mindset? Can we train ourselves to have one?

CJM: Invictus was born from the idea that we can teach lessons about life and character development through fitness. Fitness allows us to set goals, put ourselves in uncomfortable situations through rigorous training, overcome obstacles, and achieve goals that seemed impossible. That process creates momentum in our lives to achieve goals outside of the fitness realm as well. What we strive to create at Invictus is a mindset and understanding that we control our own fate and that no external circumstance can define us; even when things have gone terribly wrong they cannot break our spirit or stop us from moving forward toward achieving our life’s mission. This ethos is captured by the Invictus poem by William Ernest Henley. Henley wrote the poem under horrific circumstances, bed ridden and fighting to save his remaining leg from tuberculosis of the bone, and it was his manifesto that nothing would break his spirit. He ultimately won his fight, kept his leg and went on with a very successful career as a poet and influencer of his times. I don’t think this mindset is unique to competitors, you see it in individuals from all different walks of life. An individual’s outlook and resilience during the worst of times is the difference between those who succeed and those who succumb. The Invictus mindset is a commitment to maintaining control of your destiny without regard for the obstacles and hardships that are laid on your path. Helping others understand this is the most important thing that we can do at Invictus, and that’s the reason that our first publication about our training principles was “The Invictus Mindset.” We also translated that e-book into Portuguese for our friends in Brazil after we did a few Athlete Camps down there. You can find that here: https://www.crossfitinvictus.com/the-invictus-mindset-book

CrossFit has evolved so much in the last few years and the level of competition has raised tremendously. Less than 10 years ago, when Amanda appeared at the Games, the struglle with muscle ups and squat snatch was real. Nowadays, a lot of regular gym goers can do Amanda in less time than the athletes did in 2010. Where can we go from here? Where do you think will we be in 2028?

CJM: I believe CrossFit will continue to evolve as a sport. I think we’ve started to see a little bit of a plateau in terms of the exponential improvements of the top-level athletes in the sport. Athletes and training methodologies will continue to improve and evolve, but I think the years where we see someone coming out of nowhere to win the CrossFit Games or seeing athletes improve by 20% year over year are behind us. That growth curve is still happening in areas of the world where CrossFit was adopted later, like Brazil and Europe.

HC: CrossFit has always valued intensity over volume. We know that the athletes train 2 or 3 times a day. And we see a lot of young athletes putting up a lot of work to evolve quickly. Do you think that this is a continuos trend, even for the regular gym goer, for an increased training volume?

CJM: I think it’s a dangerous trend. I am actually most concerned about the young athletes who are jumping into high volume programs before they’ve earned the foundation to support the volume. In many regions, we’ve seen very little new talent coming into the sport. My concern is that the increased volume early in an athletes’ training career is leading to injury or burn out before they can develop the necessary capacity, strength and skill to get to the highest level of the sport. If you look at athletes like Rebecca Voigt, who started CrossFit before the sport really kicked off, you’d see that she trained once a day at moderate volume for years before she ever started to layer on volume. That was even true of Lauren Fisher, who is only 24 years old, but competed in her first Regionals competition in 2012. When she moved to San Diego at 18 she started training twice a day only twice a week, and those second sessions were strictly functional hypertrophy (bodybuilding-style) to add some lean mass and stability to her very skinny upper body. Her volume progressed very slowly, leading to an incredibly successful 2014 season. Unfortunately, Lauren fell from a rope climb two weeks before the 2015 regionals and suffered a severe ankle injury. We didn’t know the extent of the injury until after she competed as an individual in the 2016 Games and realized that she would need a very invasive surgical repair, which she had in September 2016 and still somehow managed to make it back to the CrossFit Games.

I don’t believe that increasing volume is smart for the regular gym goer, and I don’t see that as a trend to worry about. Most regular gym goers have families, careers and other hobbies to worry about. Unless you’re serious about competing in the sport of fitness, it’s best to remember one of CrossFit’s primary tenants - “Regularly learn and play new sports.” Develop your fitness in the gym so that you can use it in a wide variety of life’s best activities. 

HC: I know that this is an unfair question, like asking to chose which child you like the most, but which male and female athlete you like to train the most? And why?

CJM: Ha! I can’t blame you for asking, but I can’t answer that. All of our athletes are different, and they each teach me so much. I can tell you that I have learned more from coaching Josh Bridges and Camille Leblanc-Bazinet than I ever could have imagined. I started working with Josh in 2010 and Camille in 2011, and they were smashing every expectation I had of what was possible. Josh exemplified the mentally resilient athlete, and without the lessons he taught me about his competitive mindset, I never could have evolved into the coach I am now. Kristin Holte has furthered those lessons, and as noted above, she is the most consistent and professional athlete I have ever had the pleasure of working with. Her work ethic, and commitment to training her mindset is unparalleled. Where many athletes know what they should do in terms of nutrition, lifestyle, mindset development…Kristen actually does it, every…single…day.

HC: Finally, what advice can you give a young athlete that is just starting to do CrossFit and is willing to take a chance at it professionaly?

CJM: Be patient! As the sport of CrossFit has evolved, the breadth and depth of strength qualities and skills necessary to compete has risen. That means it’s going to take longer for athletes to develop to the point needed to compete at the highest levels. Athletes have reacted by adding more volume in an attempt to shortcut their way to results, but you have to build the foundation to truly develop to your maximum potential. Don’t rush, and don’t think you have to develop every single skill at the same time. Pick an area to focus on and make sure you’re making solid progress on that area before you worry about developing the others. For me, until a young athlete has adequate strength, you’ll be fighting an uphill battle forcing them into competition. That’s probably where our coaches help young athletes most, by assessing where they’re at and providing a focused path for their progress. 

Entenda como funciona o Online Qualifier por idade do CrossFit Games

Entenda como funciona o Online Qualifier por idade do CrossFit Games

A Polêmica com 18.4 da Brooke Wells

A Polêmica com 18.4 da Brooke Wells