Seria Mat Fraser imbatível mesmo?

Seria Mat Fraser imbatível mesmo?

Como um atleta chegou onde chegou sem ser ameaçado nos últimos dois anos? Matt Fraser despontou no CrossFit em 2014, quando participou dos seus primeiros CrossFit Games. E logo já gerou grande comoção. Por que? Por que foi o único capaz de ameaçar o reinado de 3 anos de Richard Froning. Ameaçou, mas terminou Logo atrás dele. Só que 2014 foi o último ano do Froning nos Games como individual e todos acharam que Fraser seria o próximo campeão. Mas não foi isso que aconteceu...

Com algumas colocações muito ruins em algumas provas, Fraser terminou os Games de 2015 em segundo lugar novamente, perdendo para Ben Smith. Foram alguns problemas em provas específicas, mas o suficiente para prejudicar sua colocação final. No ano seguinte ele decidiu ser treinado pelo Ben Bergeron, mesmo coach da bicampeã Katrin Davidsdottir. Fraser agora tinha um coach que cuidava da periodização e, o mais importante, de sua cabeça. Fraser teve aquele que é considerado um dos coaches que mais trabalha mindset no mundo. E foi no ano seguinte que seu reinado se iniciou....

Em 2016, ele ganhou apenas a primeira prova. Mas o mais importante que ganhar uma prova é não ir mal nas outras, pois os pontos caem drasticamente. O primeiro lugar fica com 100 pontos, o segundo com 94, o terceiro com 88, o quarto com 84 e por ai vai, começando com uma diferença de seis pontos até o terceiro, passando para 4 pontos até o décimo e depois diminui de 2 em 2. Sendo assim, um décimo quinto lugar fica com metade dos pontos do primeiro colocado. Em 2016 ele teve um 23o lugar com o pior colocação na escada de deadlift. Apesar de parecer muito, e é, em TODAS as outras provas ele terminou dentro dos top 10.

Em 2017 ele ainda amargou um 20o lugar na polêmica prova assault banger, em que tinham que bater na barra com um martelo e muitos atletas acabaram arrastando a barra e não apenas batendo. Mas a diferença em 2017 foi que ele ganhou 7 provas, ficou 5 provas em segundo, teve 2 terceiros lugar, 1 quinto, 1 sexto e 1 sétimo. Ou seja, não só ele foi muito bem, como não tem muitos atletas que se sobressaiam pelo menos em algumas provas para que ele não ganhe tantos pontos assim.

Como mencionamos já aqui, sabemos que Vellner ficou em primeiro no overall nos regionais. Mas isso pode significar pouco, pois podem ter tido muitos especialistas em algumas provas que podem ter prejudicado sua colocação, mas que não se classificaram para os Games. Outro problema é que nos regionais desse ano, Fraser e Vellner não competiram juntos como nos outros anos. O nível de competitividade dele é absurdo. Quando tem alguém que o tenta bater, ele tira forças do nada.

Contudo, esse ano ele está sem seu coach dos últimos dois anos. O quanto será que isso atrapalhou a sua preparação, não saberemos. Ao mesmo tempo, ele se mudou para o Tenesse e treina frequentemente com o Froning, o que pode lhe ajudar. O quanto essa mudança lhe prejudicou ou ajudou só saberemos semana que vem, quando os Games começarem.

Finalmente, respondendo a pergunta principal do artigo....enquanto não houver outros atletas, não apenas um ou dois, mas enquanto não houver uma massa crítica grande o suficiente para fazer ele perder muitos pontos em algumas provas pelo menos, ele é sim....IMBATÍVEL.

A volta do "CrossFit Total" ao Games 2018

A volta do "CrossFit Total" ao Games 2018

A uma semana dos CrossFit Games 2018, o que podemos esperar?

A uma semana dos CrossFit Games 2018, o que podemos esperar?