Prova 4- A maratona de remo

Prova 4- A maratona de remo

A prova mais longa da história dos CrossFit Games, com 4 horas de time cap foi de certa forma excruciante para os competidores finalizarem o primeiro dia. Dave Castro prometeu o pior primeiro dia da história e ele tem razão. Foi duro de ver e por muitas vezes doloroso.

A prova começou com duas ausência já. Michele Fumegalli estava fora depois de ter quebrado o punho na primeira prova de ciclismo. Alexandre Caron se machucou durante um back squat na prova 3. Estava chovendo durante o evento e a plataforma ficou molhada. Ele tombou com a barra de forma feia depois que seu pé escorregou. Ele ainda temrinou a prova 3 com um deadlift de 550 lbs, mas não foi para a prova do remo.

E logo no início o que acontece? Alguns monitores não funcionam e a prova é parada. Demoraram quase 25 minutos para voltar tudo e recomeçar a prova. Muitos, de acordo com o Hugo4 que estava no evento, ainda correram para usar o banheiro uma última vez antes de começar o evento. Mas a prova reiniciou e não teve mais problemas no final.

Mulheres

Margaux Alvarez ganhou a prova de ontem em 03:00:42, o que epara ela foi muito bom por que ela não estava bem posicionada até o momento. Mas a história principal da noite no caso das mulheres foi com a novata Laura Horvath que mais uma vez impressionou. Com um 4o lugar nessa prova ela subiu para a primeira colocação geral com uma vantagem de apenas 12 pontos da que era então líder, Tia Clair-Toomey, que finalizou o remo na 14a posição. Ano passado, quando ganhou seu primeiro Games, Tia também teve um 14o lugar como pior colocação geral. Com um terceiro lugar nessa prova, Annie Thorisdottir subiu para a terceira colocação geral e Kara Saunders, com um sexto lugar subiu para a quarta.

As favoritas começam a se alinha agora no topo. A boa recuperação de 15a para 6a colocada deve animar Ktarin Davidsdottir. Além dela, Sara Sigmundsdottir volta a ficar no top 10 e vai para a última bateria. Com uma péssima penúltima colocação, Cassidy Lance Mcwerther, a mulher que ganhou o Open esse ano, caiu para a 11a posição (ela estava em terceiro).

O que foi sofrido de ver foi a luta da até então sexta colocada geral, Alessandra Pichelli, para finalizar a prova. Ela sentiu muitas dores, pelo que parecia, e precisava acabar ou estaria eliminada da competição. E com dor ela foi a última a terminar essa prova com ainda bastante tempo antes do time cap.

Homens

Numa excelente prova, Lukas Esslinger levou a vitória EM 02:43:50 seguido de seu xará Lukas Hogberg. Com esse segundo lugar, Hogberg se aproxima de Fraser, que manteve a liderança após um 11o lugar, mas por apenas 2 pontos de diferença. Cole Sager, numa excelente prova, finaliza a maratona em terceiro e sobe para a terceira posição.

Mas quem mais deve estar feliz de como terminou o dia é Patrick Vellner. depois de um problema em sua bike e uma 35a colocação no evento 1, Vellner obteve um 5o lugar nessa prova e subiu para 6o no geral. Ele ficou logo atrás de Fikowski, que com a 4a colocação agora se encontra na 6a posição geral.

Quem ainda anda me surpreendendo é Adrian Mundwiler que mesmo com uma 15a colocação na maratona ainda se encontra na 5a colocação geral

Pablo Chalfun

Infelizmente o brasileiro sentiu o cansaço do dia e cãibras no posterior de coxa, como revelou para o @crossfitbrazil. Com isso, ele acabou finalizando em último lugar no remo e se encontra ainda na 37a posição geral.

Próximos capítulos...

Esse foi apenas o primeiro dia. Hoje é rest day e amanhã tem mais 3 provas pelo menos. A torcida continua, a luta continua e vamos que vamos!

Prova 5 - Battleground

Prova 5 - Battleground

Os brasileiros do grupo de idade nos CrossFit Games

Os brasileiros do grupo de idade nos CrossFit Games