Review do Nano 9

Review do Nano 9

Todos anos a Reebok lança um tênis novo. E, tradicionalmente, os números ímpares representam um retrocesso em termos de qualidade com o modelo anterior. Foi assim com o 3 sendo pior que o 2, o 5 sendo bem pior que o 4 (saudades do meu 4), e o 7 absurdamente pior que o 6. E o 9? Sofreria o nano 9 da mesma maldição dos número ímpares e seria um tênis muito pior? Essa resposta eu já adianto: NÃO. O Nano 9, felizmente não sofre da mesma maldição dos outros números ímpares da marca. Mas ele é o melhor nano de todos os tempos? Para responder a essa questão, eu precisarei esclarecer mais...

CONSTRUÇÃO

Em termos de design, na minha opinião o tênis é muito bonito. Mas isso é bem pessoal. Inclusive o acho mais bonito pessoalmente do que em foto. Gosto particularmente da volta da logo mais antiga da Reebok, o vetor, apesar de você ainda encontrar o delta em alguns lugares do tênis. Ele ainda vem com a tecnologia flexwave, mas com as tramas um pouco mais fechadas que no 8. Isso é bom pois permite um conforto pelo acolchoado por dentro, e uma durabilidade pelo flexwave por fora, mas mantendo uma respirabilidade incrível para os pés, assim como no Nano 8. Ao mesmo tempo que é uma porcaria se você estiver andando na chuva pois molhará seu pé inteiro (aprendi isso a duras penas aqui em Curitiba).

O drop dele (diferença de altura do calcanhar aos dedos) continua sendo de 4mm, como praticamente todos os outros. Ele tem, contudo, uma barra lateral de proteção que vai mais ou menos do meio do pé até o calcanhar nos dois lados do tênis. Isso serve para aumentar a estabilidade do tênis. A palmilha é feita inteira de EVA, o que o deixa bem confortável ao vestir. Mas a barra lateral associado a um solado externo maior no calcanhar e plano (dos dedos ao final do pé), servem para compensar o conforto da palmilha e te dar a estabilidade que precisa.

TAMANHO

Eu geralmente calço 42, ou 10 na numeração americana. E com esse não foi diferente. O mesmo tamanho serviu perfeitamente para mim. Para quem tem um pé largo e chato, talvez seja interessante pedir um número acima, tendo em vista que as proteções laterais que dão estabilidade podem machucar um pouco seu pé. Isso aconteceu com o Márcio, Hugo 4, no início. Mas obviamente que não é nada comparado ao desconforto absoluto do nano 7 que até machucava o pé.

Vale salientar que a parte dos dedos está ligeiramente maior por que retiraram um acolchoado ali que não senti falta ao vestir. Então, talvez algumas pessoas poderão  reclamar disso. Eu particularmente gostei da mudança.

DESEMPENHO

Aqui é algo que realmente posso elogiar e criticar ao mesmo tempo o nano 9. Vamos começar com a parte boa. Ele é provavelmente o nano mais estável que eu já usei. A barra lateral aliada ao solado mais grudado no chão é ótimo tanto para powerlifting, quanto levantamento de peso olímpico. Ele inclusive não deixa meu pé entrar tanto quanto os outros (tenho problemas com isso, me julguem). Isso é uma melhora substancial do nano 8. Eu achei que o 8, com o uso, ficou um pouco frouxo principalmente no calcanhar e perdia a estabilidade. Dessa vez, esse problema parece ter sido solucionado.

Ao mesmo tempo que ele é super estável e firme, ele também é bem confortável para pular corda, fazer box jump, burpee e praticamente todos exercícios que você possa pensar (praticamente…). A ponta bem flexível e a palmilha deixam, de forma geral, os movimentos bem confortáveis. Além disso, ele tem uma das melhores “pegadas” para rope climb. A barra lateral deve ajudar a proteger e dar maior durabilidade ao tênis e a sola se saiu muitíssimo bem na corda. Parece um tênis quase sem defeitos, né? Quase…

Quase, pois correr nele não é nem um pouco agradável. É o pior do mundo? Não, longe disso. Mas também não posso dizer que gostei. Mesmo com a palmilha interna tentando dar mais conforto e um solado com uma “separação” no calcanhar, para facilitar aqueles que pisam antes com o calcanhar, o tênis no geral não funcionou para corrida. Acho que a explicação para isso está no peso. Ele parece ser o mais pesado de todos os nanos. O solado externo, maior e mais chapado, maravilhoso para estabilidade, pode ser um fator que prejudica a corrida (pelo menos para mim que odeio correr e não tenho uma técnica boa).

CUSTO

O tênis será vendido a partir de 12 de Junho de 2019 a um custo de R$ 599,00 apenas no site da Reebok, a princípio. Ele vem 100 reais mais caro que o nano 8. Não sei ao certo se a tecnologia nova na palmilha, ou na barra lateral, ou o dólar fizeram aumentar o preço. Mas de fato ele virá um pouco mais salgado que o anterior.

NO GERAL

É um excelente tênis para CF. Sim, adoro de forma geral os nanos (com exceção do 5 e do 7, não provei o 3). Esse não é um caso diferente. Realmente acho que a Reebok fez um excelente trabalho com ele. Posso garantir que a maldição dos números ímpares foi quebrada.

É o melhor nano da história? Então, quem já leu meus reviews anteriores sabe que eu sou um fã incondicional do nano 6 (volta com ele Reebok, nunca te pedi nada). E o nano 9 ganha do 6 no quesito estabilidade, mas perde no geral pela corrida e pelo peso. Por mais que eu odeie correr, corrida está em muitos workouts e é essencial para o condicionamento. Por isso, creio que ainda prefiro o 6.

Contudo, acho que para quem gosta de tênis e não tem problema com o custo, vale o investimento, mesmo que você já tenha o Nano 8, pois a estabilidade que esse tênis te trará será valiosa em diversos workout ou treinos de força.

Karime Ferrari e Reginaldo Silva vencem a primeira seletiva do TCB 2019

Karime Ferrari e Reginaldo Silva vencem a primeira seletiva do TCB 2019

CrossFit divulga 10 das 14 equipes que disputarão os Games esse ano

CrossFit divulga 10 das 14 equipes que disputarão os Games esse ano