Os classificados pelos eventos sancionados para os CrossFit Games 2020

Compartilhe

Como já tratamos aqui, há diversas formas de se classificar para os CrossFit Games e uma delas é ganhando um dos 28 eventos sancionados que ocorrerão até o início de Julho. Já foram 8 eventos sancionados até agora todos classificando um homem e uma mulher e um time (o único que não teve competição de times foi o CrossFit Mayheem Classic). Sobre o primeiro de todos, o CrossFit Filthy 150, você pode ver aqui. Vamos atualizar sempre esse post sobre todos os classificados para deixar vocês sempre atualizados sobre a temporada 2020.

SouthFit CrossFit Challenge

Uma veterana de CrossFit Games, um estreante e um time cheio de atletas que já disputaram os CrossFit Games levaram a vaga para 2020 pelo campeonato que ocorreu na Argentina.

O Canadense Pete Shaw, que já disputou 4 regionais, vai estrear nos Games em 2020 ao vencer esse evento. Ele será acompanhado de Bethany Shadburne que está indo para seu 4o CrossFit Games, tendo ficado em 8o lugar no ano de 2019.

O time que levou a vaga foi o Odd Squad, formado por Alexis Johnson, Emily Tanner, Brandon Lucket e Jordan Cook. Jonhson e Cook já disputaram os Games por times em 2019 pelo time Don’t Stop. Alexis e Jordan também já tiveram duas participações no individual. Jordan ainda disputou em times também em 2018. Brandon Lucket já disputou os Games no individual em 2018 enquanto que Emily Tanner disputou os Games em 2017 por times.

Pandaland CrossFit Challenge

Um veterano com 5 games na bagagem, 4 no individual e um por times (em 2019) vai voltar a competir no individual esse ano após vencer o evento que ocorreu na China. O australiano Khan Porter, famoso por sofrer de um grave distúrbio de ansiedade e por ser bipolar, decidiu voltar a sentir a pressão da preparação e da competição no individual. Mesmo sem gostar de competir, ou de se preparar para tal, ele opta por fazê-lo pois, de acordo com uma declaração de uns três anos atrás:

” Para mim, competir é uma forma de dizer àquela voz da ansiedade na minha cabeça que ela não tem controle completo sobre mim ou a minha vida ainda e que vencer ou perder é uma vitória imensa para mim todo ano que eu vou aos Regionais”.

Harriet Roberts, atleta da Nova Zelândia, irá disputar o seu primeiro Games no individual esse ano já tendo disputado por times em 2017 e 2019. Inclusive, Khan e Harriet estavam no mesmo time em 2019, o Project X que não foi bem e saiu após o 1o corte.

O time que levou a vaga foi o Team Butcher’s Lab, composto por: Rebecka Vitesson, André Houdet, Julian Kragh-Maschvitsz e Louise Wickstrom. Rebecka e Julian disputaram os Games de 2018 no time Butcher’s Lab em 2018. Rebecka tem ainda mais um Games por times em 2017. Louise fez parte do Time Alioth em 2019 e Houdet estreará nos Games em 2020.

Dubai CrossFit Championship

Ela sofreu uma punição grave no Open, que a fez ficar de fora pela disputa pela vaga aos Games do seu país, mas um terceiro lugar em Diubai garantiu o retorno de Samantha Briggs aos Games 2020. Esse será o 7o para a campeã de 2013. Contudo, quem ganhou o evento e vem mostrando uma excelente fase foi Sara Sigmundsdottir. É torcer apenas para que isso se reflita nos Games desse ano.

Depois de 3 CrossFit Games por times entre 2017 e 2019, é a vez de Tola Morakinyo estrear na competição individual. Ele que é o recordista de clean and jerk numa competição oficial de CrossFit, conseguiu a vaga após uma 9a colocação em Dubai (com todos os anteriores já classificados). Quem levou a disputa contudo foi Brent Fikowski.

Por fim, a briga foi boa mas a vaga por times em Dubai ficou com o Misfit P10 Performance formado por Andrea Nisler, Taylor Williamson, Roy Gamboa e Travis Williams;. Andrea e Taylor competiram de 2016 a 2019 no time da OC3. Travis e Roy tem 4 e 2 participações no individual, respectivamente. Travis tem ainda 3 Games por times, sendo que em 2019 ele disputou pelo Don’t Stop juntamente com Roy Gamboa.

CrossFit Mayhem Classic

O ano de 2020 começou para o CrossFit com um campeonato organizado por ninguém menos que Rich Froning. E por talvez não querer enviar um concorrente a mais para os Games (não que ele se preocupe com isso), o evento era apenas na categoria individual.

Quem detonou no evento ganhando 6 das 7 provas (a que não ganhou ela ficou em segundo), foi a já multi campeã Tia-ClairToomey. Com um 4o lugar na competição, Ferrozeh Sagafi retornará aos CrossFit Games em 2020. Ela obteve a primeira classificação em 2019 por outro evento sancionado o Rogue Invitational.

Chandler Smith ganhou o seu primeiro sancionado da carreira, mas a vaga dele já estava garantida pelo open. Logo, segundo colocado, Luke Schafer vai estrear nos Games na categoria individual em 2020, já tendo disputado duas vezes por times, em 2015 e 2019.

CrossFit Strength in Depth

Tendo Mat Fraser disputando, a gente nem precisa perguntar quem ganhou o evento. Mas quem ganhou a vaga foi David Shorunke. O inglês, que estava competindo em casa e com apoio da torcida, desbancou ninguém menos de Lukas Hogberg – 3o colocado em 2018, e garantiu seu passe para Madison com a segunda colocação geral.

Do lado feminino, foi bom ver Laura Horvath de volta a sua forma e ganhando o primeiro sancionado de sua carreira. Depois de um segundo lugar nos Games de 2018, ela teve um péssimo ano de 2019 e mostrou que está de volta esse ano. Quem ganhou a vaga para os Games após um 4o lugar foi Kelsey Kiel, que vai estrear no individual, mas tem 3 Games por times na bagagem.

E se tinha Mat Fraser e Laura Horvath disputando no individual, tinha Mayheem Freedom dominando nos times. A formação mudou bem pouco do ano passado para esse: Rich Froning, Chyna Cho e Tasia Persevecz voltam ao time e são acompanhados por ninguém menos que Scott Panchik. A pessoa que tem o menor número de participações em CrossFit Games desse time é Tasia com 1 no individual e duas em times em 2018 e 2019, onde foi campeã nos dois anos pela Mayheem. Panchik vai estrear esse ano por times após 9 Games competindo no individual, sendo 8 no top 6 e uma vez em 11o lugar.

Norwegian CrossFit Championship

Ano passado tivemos corrida no deserto de Dubai e esse ano corrida na neve no primeiro sancionado da Noruega. Quem venceu o evento e vai ao seu 3o Games (sendo que um deles foi como teen) é a Polonesa Gabriela Migala. Contudo sua vaga já estava garantida como campeã nacional. Logo, a terceira colocada no Norwegian, e segunda colocada do Open pela Finlândia em 2020, Sanna Venalainen, vai estrear nos Games em 2020.

Griffin Roelle, mais comumente conhecido como CrossFit Thor, que ano passado ficou na 18a colocação no Brazil CrossFit Championship, levou a vaga para os Games vencendo o evento. Ele tinha disputado já por times em 2018 e vai estrear no individual. Ele estava vindo de uma péssima notícia ao sair da primeira colocação do online qualifier para fora do evento após revisão dos vídeos e ainda começou o campeonato com um último lugar na primeira prova. Foi uma recuperação forte para Roelle garantir a vaga para os Games 2020.

O time que se classificou foi o The Progrm (sem o a mesmo), composto por: Jamie Headon, Matilde Oyen Garnes, Ella Kanona Wunger e Joshua Wichtrup. Matilde e Joshua são os únicos com experiência nos Games. Ela por times em 2018 e ele no individual em 2019 (acabou na 18a colocação geral).

Wodapalooza CrossFit Festival

Num campeonato que a liderança trocou de mão o tempo todo do lado masculino, começando por Vellner, passando por Travis Williams, Cole Sager e finalizando com Vellner campeão, o convite acabou indo para o quarto colocado Saxon Panchik. Travis Williams que estava na frente dele e já tem um convite por times, acabou perdendo muito e ficou em quinto. Saxon, que terminou em 9o nos CrossFit Games ano passado, vai ao seu terceiro Games consecutivo. Em 2019, ele conseguiu sua vaga pelo Brazil CrossFit Championship.

Entre as mulheres, apesar da ameaça de sara Sigmundsdottir, quem garantiu a vitória foi Tia-Clair Toomey que ganhou 4 eventos sancionados na carreira, tendo participado de um total de….4. Sara acabou em segundo e Kari em 3o, invertendo o pódio de 2019. O convite foi disputado ponto a ponto até o finale ficou com a Canadense Emily Rolfe que vai ao se segundo Games esse ano. Ela, que terminou em 18o ano passado, havia se classificado ao vencer o Granite Games.

Entre os times, depois de um péssimo ano de 2019, Mayheem Freedom com o novo time levou mais um sancionado nessa temporada. O time GOWOD que ficou na segunda colocação está impossibilitado de aceitar o convite já que Taylor Williams e Adrea Nisler já aceitaram seus respectivos convites para o individual aos Games. O mesmo ocorre com o time WIT, que estava em terceiro, com Sam Briggs e Harriet Roberts já classificadas. Sendo assim, o convite deve ir para o time Mayheem Independence. O time que terminou na quarta colocação é formado por: Chase Hill, Royce Dunne, Kristin Miller e Feeroozeh Saghafi. Feroozeh é a única com um convite no individual e com uma experiência nos Games de 2019. Chase Hill vai ao seu primeiro Games enquanto que Royce Dunne vai ao seu quarto, tendo disputado ’16 e ’19 por times e 2018 no individual. Kristin Miller é a única que volta aos Games pelo mesmo time que ficou em 4o em 2018, o Mayheem Independence. Ela ainda tem uma outra participação por times em 2017.

Australian CrossFit Championship

Depois de 9 meses de ter tido sua filha, Kara Saunders retornou esse final de semana às competições já ganhando o primeiro sancionado que participa. Ela já tinha a vaga aos Games pelo Open. Por isso quem leva o convite é Mia Hesketh, que recusou o convite para os Games 2019 após sua participação na competição CrossFit Fittest in Cape Town, para ir pelo time da CrossFit Alioth (ela também já disputou em 2015 por times). Esse vai ser o primeiro Games dela na categoria individual.

No caso dos homens, aparentemente foi uma batalha entre Jay Crouch e James Newbury (não teve transmissão do evento, por isso só podemos imaginar através de outras reportagens). James foi o 5o colocado nos Games ano passado e estava sem vaga esse ano após fraturar a coluna ao ser atropelado. Mas ainda não foi dessa vez para ele garantir seu retorno à Madison. Ele ficou em segundo para Jay Crouch, que também vai estrear na categoria individual, após competir duas vezes o Games pelo time da Reebok CrossFit Frankston (da lenda Rob Forte) e ter ficado em segundo no SouthFit 2019, na Argentina.

O time que ganhou o evento já tinha a vaga para os Games conquistada no Wodapalooza, o Mayheem Independence. Contudo ele agora estava com a formação original: Chase Hill, Royce Dunne, Kristin Miller e Taylor Streid. Feeroozeh Saghafi, que substitui Taylor no Wodapalooza vai no individual. Quem ganhou o convite para ir aos Games foi o time Starr Strength Black, com os membros: Alethea Boon, Christee Hollard, Rees Machell e Jodi Gardiner. Desses apenas Alethea é veterana de Games com diversas participações no individual. Ano passado ela rEcusou convite no individual para disputar no Master.

Brazil CrossFit Championship (BCC)

Com um evento final emocionante, o BCC chegou ao fim com mais uma edição marcada pelo sucesso.

Nos teams, o quarteto “Taranis lifetree”, de Vancouver, no Canadá, se sagraram campeões do evento, desbancando o time favorito “Invictus Brazil”, e garantiram vaga no Crossfit Games de 2020. O ponto interessante é que Taranis e Lifetree são dois boxs diferentes que se uniram para competir (e obtiveram sucesso, né?). Dos integrantes do time campeão, Steve Howell, em 2015 com um 33 lugar por teams, e Christina Seeley, em 2016 fechando na 32 colocação na categoria individual, acumulam uma participação no Games cada. Caleb Woiwood e Caleigh Mcdade, os outros integrantes, estrearão esse ano nos Games.

Já no individual feminino, constante do início ao fim, a grande campeã foi a argentina Melina Rodriguez. Com passaporte garantido para o seu terceiro Games após conquistar a primeira colocação no open de seu país, a vaga ficou com a mexicana Cecilia Ramirez (segunda colocada) que participará pela primeira vez do maior evento de Crossfit do mundo. Melina disputou em 2017 por teams e em 2019 no individual.

No individual masculino, o canadense Adam Davidson conquistou o título da categoria mais disputada da competição e garantiu vaga no Crossfit Games em julho, nos EUA. Ele pé treinado por ninguém menos que Michelle Letendre, que também treina Pat Vellner, James Newbury e Laura Horvath entre outros. Josh Miller, que entrou para a última prova apenas 4 pontos atrás de Adam e precisava apenas ficar na frente dele no evento, não conseguiu e vai tentar a sorte em outro sancionado.