O retorno aos treinamentos sem uma boa orientação pode ser perigoso

Compartilhe

Uma das preocupações associadas ao retorno a qualquer atividade física é saber se o aluno/atleta está preparado para sustentar a carga de treinamento que está sendo prescrita pelo seu treinador. Dessa forma, é de suma importância que os treinadores tenham cautela com a prescrição de um volume de treinamento elevado nesse retorno, principalmente para os alunos/atletas que estavam parados ou realizando home workouts sem acesso a equipamentos.

De acordo com Gabbett (2020), apesar do spike (aumento abrupto na carga de treinamento) não estar isoladamente associado com lesões, mas a escolha do elemento que está sendo prescrito (HSPU, Ring muscle up, GHD) onde os alunos não estavam acostumados a treinar em casa (o que gerou um destreinamento) uma lesão pode ocorrer em virtude do sistema osteomioarticular musculoesquelético não suportar o volume de treinamento prescrito.

Dessa forma, uma sugestão para evitar qualquer consequência negativa com a volta aos treinamentos pode ser através da prescrição de elementos com baixa complexidade (p. ex. burpees, corrida, bicicleta etc.) em conjunto com elementos mais complexos (com baixo volume e intensidade).
Por fim, vale lembrar que os mecanismos de lesões são multifatoriais e apenas o aumento abrupto da carga de treinamento não é capaz de explicar isoladamente.

Graduado, Mestre e Doutor em Educação Física (UCB).
Pós doutor em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina (UFMT).
Fundador do Hércules Functional uma plataforma com ênfase no Fitness Funcional (tcc.CrossFit).

Enable Notifications    Ok No thanks