Sobre o futuro da CrossFit e do esporte

Compartilhe

Não temos uma máquina para viajar no tempo para termos certeza. Mas podemos sim especular.  Vamos começar lembrando que CrossFit é uma marca. Isso foi deixado bem claro na reunião para os afiliados esse ano em Março após o Brazil CrossFit Championship. Quando indagados sobre que esporte então eles fazem a resposta foi: Crosstraining. Ou se vocês preferirem o fitness funcional, esporte que já tem uma federação internacional (@internationalfunctionalfitness) e uma nacional (@brasilf3).

Independente disso, entramos e nos apaixonamos pelo esporte sem nem saber quem era Greg Glassman. Amamos a comunidade e nos viciamos nisso tudo sem nem direito conhecer a empresa. Os comentários de Greg e o (ou falta de) posicionamento da empresa levaram a comunidade a uma resposta firme e forte. São muitos boxes importantes no mundo de desfiliando, muitos atletas criticando e se distanciando da fala, muitas marcas se dissociando da empresa.

Mas acima de tudo. Todos chamam a atenção da comunidade. A comunidade criada e o amor que temos pelo esporte é maior que tudo. Talvez o Greg Glassman saia. Talvez não. Afinal de contas em tudo que ele foi teimoso ele fez e manteve. Talvez seja o fim da marca e dos CrossFit Games como conhecemos. A verdade é que antes disso muitos já estavam insatisfeitos com algumas atitudes da marca como a saída das redes sociais ou as mudanças abruptas dos CrossFit Games.

O futuro é incerto. Vai depender muito de como a empresa vai se portar e decidir daqui para frente. Seria possível dissociar Greg e CrossFit? Ontem ele postou o pedido de desculpa que se encontra no final da matéria. Será que as pessoas aceitariam? Teria ele feito o mínimo para mudar a ideia das pessoas? Acho difícil com o que foi feito até agora. Até por que foi publicando um relato de uma reunião no zoom (a qua apenas temos esse relato) onde o Greg teria repetido várias vezes que não lamentava por Floyd, logo após uma dona de box de Minneapolis (onde ocorreu o assassinato) ter indagado sobre a posição da empresa.

Mas talvez algo maior surja disso. Talvez a não monopolização seja o que o esporte precisava para renovar. Para atrair mais gente. Talvez as empresas se unam para um grande campeonato mundial. Os boxes criem um novo movimento. O esporte não morre. A comunidade não morre. Nossa paixão não morre.

Veja o pedido de desculpa de Greg Glassman:

“Eu, o CrossFit HQ e a comunidade não aceitamos racismo. Cometi um erro com as palavras que escolhi ontem.

Meu coração está profundamente triste pela dor que causou. Foi um erro, não racismo, mas um erro.

Floyd é um herói na comunidade negra e não apenas uma vítima. Eu deveria ter sido sensível a isso e não era. Me desculpe por isso. Eu estava tentando coloca-lo no @IHME_UW pelos seus modelos invalidados que resultou em um lockdown desnecessário, destruidor da economia e destruidor de vidas e quando vi que eles anunciavam uma modelagem de uma solução para nossa crise racial, fiquei incrédulo, zangado e excessivamente emocional. Envolver o nome de George Floyd nesse esforço estava errado.

É nossa esperança que seu assassinato catalise mudanças reais, resultando em igualdade para nossos irmãos e irmãs pretos.

Por favor me ouçam quando digo que apoiamos nossa comunidade na luta por justiça. Eu me preocupo com você, nossa comunidade e estou aqui para você.”