A importância do exercício físico para a mente

Compartilhe

Estamos em Setembro, mês da campanha nacional da prevenção contra o suicídio. O mês foi escolhido por que hoje, 10 de Setembro, é o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio. A campanha ficou conhecida como Setembro Amarelo é uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria. Por isso convidamos a psiquiatra Ana Carolina E. Guedes (@anacarolina.eg) e a psicóloga Marina Guebert (@psicologamarinaguebert) para falar para a gente sobre a importância do exercício físico para a nossa mente.

                Você já se perguntou quais são as atividades que você pratica que te fazem sentir prazer? Aquela coisa gostosa, uma sensação de bem estar, um respirar profundo, uma alegria, uma calma interior… Uma das atividades que causa essa explosão de sensações positivas é a prática de esportes. Isso, aquele esporte escolhido por você, em grupo ou individual, que te tire da cama e o riso venha solto.

Descobrir qual atividade lhe causa essa sensação pode não ser uma tarefa fácil, mas quando esse encontro acontece, a liberação das ditas ‘drogas do bem’, que nosso organismo ativa, causa um bem estar único.

A prática de atividade física tem impacto direto na qualidade de vida, de maneira geral, por melhorar o condicionamento físico, reduzir o risco de diversas doenças (diabetes, doenças cardíacas, hipertensão) e melhorar a saúde mental. Ela conecta um corpo saudável com uma mente sã, ativando o bem estar e as sensações de prazer.

Essa conexão é ativada e traz efeitos positivos que podem ser explicados do ponto de vista neuroquímico, uma vez que os exercícios promovem a secreção de neurotransmissores como adrenalina, opioides endógenos (endorfinas) e serotonina. Todas essas substâncias produzidas pelo cérebro agem em todo o corpo, trazendo a sensação de bem estar que experimentamos após nos exercitarmos. A endorfina, famosa ‘droga do bem’, é responsável por toda a ativação da circuitaria neuronal, das emoções positivas e do bem estar.

                Praticar uma atividade física aumenta o ânimo e disposição, contribui na interação social, eleva a autoestima tanto pelas mudanças no corpo quanto pela superação de desafios, melhora o funcionamento cognitivo, serve como ferramenta para lidar com o estresse diário, diminui sintomas como ansiedade e angústia, atua como motivador para outras atividades, reduz sentimentos negativos como tristeza e é fonte de prazer. Todos esses benefícios listados são essenciais para MANTER nossa mente saudável e podem tanto EVITAR o surgimento de transtornos psiquiátricos como MELHORAR possíveis quadros já instalados.

                A ativação corporal e cerebral atingida pela atividade física atua diretamente na prevenção de sintomas ansiosos e depressivos, contribuindo para uma manutenção de pensamentos e comportamentos positivos e evitando armadilhas como a desvalorização, a desmotivação, o desânimo, a falta de autocuidado, a baixa autoestima. Desta forma, em momentos mais difíceis, ela auxilia para barrar a evolução de uma possível patologia, podendo contribuir no tratamento de sintomas mais simples para que não se tornem um quadro psiquiátrico.

                A prática de esportes faz ativação cerebral, atingindo a potencialidade de funções cognitivas superiores, como a atenção direcionada, alternância de foco de atividades com sucesso, divisão de atenção em mais de uma tarefa, concentração, velocidade atencional para desempenho de trabalhos; como a memória ativa, com maior facilidade no aprendizado de novos conteúdos, retenção e armazenamento, para que a recuperação se dê com mais sucesso; como funções de organização, planejamento; cognição social, com bom relacionamento, desenvolvimento de empatia, assertividade na forma de se colocar e ouvir o outro. Desta forma, atua como prevenção de demências como o Alzheimer e doenças psiquiátricas como transtorno obsessivo compulsivo, depressão, transtorno de pânico e transtorno de ansiedade generalizada.

                Além disso, os exercícios podem também melhorar os transtornos psiquiátricos já existentes. As pessoas que já possuem um diagnóstico confirmado têm maior probabilidade de sofrer de condições médicas como diabetes, hipertensão e obesidade, tanto por muitas vezes usarem medicamentos que propiciam o ganho de peso quanto por terem um estilo de vida mais sedentário causado pela presença de sintomas como ansiedade, desânimo e tristeza. Desta forma, a ativação corporal faz com que o sujeito tenha mais disposição para novos objetivos, que o tira do desânimo, da angústia; alivia sintomas de ansiedade e proporcionam bem estar e capacidade de pensar de forma mais real, e não distorcida; atua na melhora da qualidade de vida, com a interação corpo e mente; auxilia na autoestima, autocuidado e autoconhecimento, proporcionando bem estar, cuidado consigo, consciência corporal, contentamento com a aparência e sentimento de alegria.

Infelizmente os potentes benefícios da atividade física ainda não são completamente aproveitados para manutenção da saúde mental e prevenção de doenças psíquicas. Não foram encontradas desvantagens na prática de exercícios quando bem supervisionados e respeitando as restrições caso elas existam, e os ganhos de saúde são significativos. Então por que não fazer mais uso dessa ferramenta? Sua saúde mental agradece!

Ana Carolina E. Guedes

Médica Psiquiatra
CRM-PR 29.234
RQE 20.572

Formada pela Universidade Positivo (Curitiba-PR) em 2011

Especialização em Psiquiatria pela Clínica Heidelberg (Curitiba-PR) de 2012 a 2015

Título de Especialista em Psiquiatria em 2015

Marina Guebert

Psicóloga
Crp 08/17562

Graduação: Psicologia – PUC/PR

Pós graduação: Terapia Cognitivo Comportamental – Instituto Neurológico de SP/Beneficência Portuguesa e Terapia do esquema – Wainer

Especialização: neuropsicologia – Instituto Habilittare/Instituto de Neurologia de Curitiba

Enable Notifications    OK No thanks