Ele é o atual 2o homem mais condicionado do mundo: conheça Noah Ohlsen

Compartilhe

Apesar de quase sempre figurar entre os favoritos, foi apenas na sexta participação que Noah Ohlsen (@nohlsen ) finalmente subiu ao tão sonhado pódio dos CrossFit Games. E mais, fez o tricampeão da época, Mat Fraser, suar para obter a liderança novamente, que só veio no último dia e após duas vitória consecutivas. Este ano ele obteve novamente a segunda colocação após a primeira fase dos Games e está com a mentalidade de vencer a etapa presencial. Conheça um pouco de Noah Ohlsen.

Perfil Rápido

Nome: Noah Ohlsen
Em qual afiliada da CrossFit você treina? Peak 360 CrossFit + em casa
Há quanto tempo você treina CrossFit? Quase 11 anos
Qual é o seu benchmark favorito? Amanda
Qual é a sua força no CrossFit? Ginástica, ser bem completo
Qual é a sua fraqueza? Trabalhando para que não haja nenhum!
Quais são os 3 objetos obrigatórios na sua bolsa de ginástica? Fita adesiva, Evertrain Post, faixas de suor de pulso.
Qual seu PR de clean e jerk? 355 libras
Qual é o seu PR de snatch? 285 libras

HC: A maioria dos atletas de elite de CrossFit tem experiência em esportes. A partir do material que o CrossFit nos forneceu durante a transmissão dos Games no ano passado, sua experiência é no pólo aquático em Clemson e na Universidade de Miami. Como o CrossFit entrou na sua vida?

 Entrei nessa de fitness quando comecei a faculdade e tive sorte de entrar em uma academia CrossFit um dia e me apaixonar!

HC: Normalmente pergunto quando alguém decidiu se tornar um atleta profissional. Mas você tem a famosa história de abordar Dave Castro na Southeast Regional de 2011 (que você era voluntário) e dizer que um dia estaria nos Games. Foi esse o momento de decisão ou você já tinha se decidido antes disso?

Eu realmente não sabia que era um atleta profissional de CrossFit até que realmente era! Tudo o que levou a isso foi apenas eu me divertindo e tentando me tornar o melhor atleta e mais competitivo que poderia ser! Eu soube imediatamente que queria competir nos Games, mas não soube por um tempo que poderia se tornar minha profissão.

HC: Desde seus primeiros Games você foi considerado uma grande promessa. Mas sempre houve algum evento que te colocava fora do pódio. O maior exemplo foi nos Games de 2017 os 2223 Intervals, e você acabou terminando em quarto lugar geral. Olhando para trás, você acha que tudo isso o tornou um atleta mais maduro e mais consciente de quem você é como atleta?

Tento aprender com cada erro que cometo. Mas eu não acho que se eu chegasse ao pódio nos poucos anos em que estive tão perto, isso teria me impedido de chegar no ano passado e, espero, de novo neste ano! Acho que foram apenas deslizes infelizes que sempre serão um pouco chatos!

HC: No ano passado você teve sua pior colocação no Open desde que se tornou um atleta. Você teve que recorrer a um sancionado para conseguir uma vaga nos Games que vieram depois de um terceiro lugar em Wodapalooza, um campeonato que você ganhou de 15 a 17. No entanto, a qualificação veio apenas depois de muitas mudanças que acontecerem na tabela de classificação devido a outros sancionados e ida de atletas em times. Você se preocupou em não conseguir a classificação? Como isso afetou a forma como você entrou nos Games do ano passado?

Embora tenha sido um processo de qualificação difícil, nunca duvidei que estaria nos Games! Foi um pouco mais estressante do que eu estava acostumado a chegar lá! Acho que isso me permitiu realmente aproveitar a experiência de estar nos games do ano passado e isso me colocou em uma posição boa o suficiente para ter meu melhor resultado!

HC: A temporada de 2019 não começou bem para você, mas foi um ótimo final. Você não só conseguiu sua primeira vitória em um evento nos Games, como também terminou em segundo geral. Qual você acha que foi a principal mudança dos Games anteriores para os de 2019 que o colocou no pódio?

Acho que fui um atleta um pouco mais inteligente. Eu realmente usei a mentalidade “feliz, mas com vontade” e tentei aproveitar e me divertir o máximo possível, sendo inteligente e não atacando os eventos que eu sabia que não iria ganhar e realmente indo para os que eu pensei que poderia! Isso, combinado com um bom treino, um corpo saudável e talvez um pouco de sorte, me colocounno pódio onde sempre quis estar!

HC: Você começou o último dia dos Games do ano passado vestindo aquela camiseta de líder branca e se saiu muito bem no evento de natação. No entanto, depois de Ringer 1 e Ringer 2, você perdeu a liderança para Fraser. Nessas horas, você considerou a pressão da camiseta branca? Ou foi apenas uma questão de não ser as melhores provas para você (embora tenha terminado em 4º e 5º nesses eventos)?

Prometi a mim mesmo que não deixaria o fato de vestir a camiseta de líder mudar a maneira como eu estava atuando e colocar qualquer pressão sobr mime. Eu ainda queria continuar curtindo a experiência. Perdê-la bem no final foi uma pena, mas foi apenas um desempenho ruim naqueles dois eventos e nada mais do que isso que aconteceu!

HC: Você terminou em segundo lugar em 2019 depois de um Games brilhante e parecia em êxtase. Você pode tentar descrever o que estava passando em sua mente naquele momento?

Muito obrigado! Foi realmente um sonho que se tornou realidade para mim. Desde que comecei o CrossFit em 2010, sempre quis mais do que qualquer coisa chegar ao pódio nos Games. Foi um fim de semana quase perfeito para mim e ao invés de insistir em não ter vencido, eu estava muito consciente de que deveria ficar orgulhoso e apreciar o fato de ter ficado em segundo lugar!

HC: Você teve uma temporada de 2020 muito melhor até agora, ficando em 6º no Open (e se classificando aos Games), além de um terceiro lugar no Wodapalooza e no Rogue Invitational. Você era a aposta no top 5 de todo mundo e não decepcionou. Como você se preparou para esta primeira fase dos CrossFit Games?

Muito obrigado, mais uma vez! Este ano é muito especial para mim. Obviamente, foi um dos anos mais difíceis em todo o mundo para muitas pessoas e estou orgulhoso da maneira como perseverei nos momentos difíceis para continuar treinando bem o suficiente para ficar entre os cinco primeiros. Espero que esta seja a única vez na história em que os Games terão que ser assim, então eu acho que é especial ser um dos cinco caras que já experimentou os Games dessa forma. Meu treinamento foi muito diferente do normal, porque eu passei muito tempo treinando em casa e sozinho, mas tive um ótimo acampamento preparatório do TTT e planejo fazer o mesmo para as finais!

Nota do HugoCross: TTT é o Training Think Tank, programa de treinamento que ele segue.

HC: Você terminou em segundo lugar entre os 5 primeiros e já tem experiência com um número reduzido de atletas após os 10 primeiros do ano passado. Mas olhando como os pontos são distribuídos para um campo de 5 atletas, nenhum erro pode ser cometido. Isso vai interferir de alguma forma no seu treinamento nas próximas semanas e em como você enfrentará cada evento?

Pretendo ir aos Games este ano depois de treinar o melhor que pude para não haver dúvidas nem arrependimentos e a intenção é vencer. Eu trarei uma mentalidade de gratidão e alegria e darei tudo de mim quando o relógio iniciar em cada evento!

HC: No início deste ano, o Campeão Brasileiro pelo Open, Guilherme Malheiros, passou um bom tempo treinando com você. O que você achou dele como atleta e como foi esse período?

Eu me diverti muito treinando com G e toda a equipe brasileira. Foi realmente minha primeira experiência com brasileiros e adorei a vibe deles. Eram todas pessoas muito boas, que gostam de treinar muito e se divertir, assim como eu! Acho que o Gui tem um futuro incrível no esporte e estou ansioso para ver o que ele pode fazer. Talvez até poder ajudá-lo no caminho!

HC: O que podemos esperar dos Games de Noah Ohlsen deste ano e no futuro próximo?

Muito preparo físico, diversão, felicidade, sucesso, inspiração e me entregando de volta à comunidade!

Obrigado, my friends!

FULL ENGLISH VERSION

Despite almost always being among the favorites, it was only in his sixth participation that Noah Ohlsen finally climbed to the long-dreamed podium of the CrossFit Games. What’s more, he made the three-time champion of the Games, Mat Fraser, sweat to get the lead again, which only came on the last day and after back-to-back events win. This year he got second place after the first phase of the Games and has the mindset of winning at the face-to-face stage. Meet a bit of Noah Ohlsen.

Quick Profile

Name:  Noah Ohlsen
Which CrossFit Affiliate do you train at? Peak 360 CrossFit + at home 
How long have you been training CrossFit?  Almost 11 years 
What is your favorite Benchmark? Amanda 
What is your strength in CrossFit? Gymnastics, being well rounded 
What is your weakness? Working so that there are none! 
What are the 3 must carry objects in your gym bag? Thumb tape, Evertrain Post, wrist sweat bands. 
What is you clean and jerk PR? 355 lbs
What is your snatch PR? 285 lbs

HC: Most elite CrossFit athletes have a sport background. From the material CrossFit provided us during Games broadcast last year, your back ground is in water polo at Clemson and University of Miami. How did CrossFit come into your life?

I got into fitness when I started college and just got lucky that I walked into a CrossFit gym one day and fell in love!

 HC: I usually ask when someone decided to become a professional athlete. But you have the famous story of approaching Dave Castro at the 2011 South east Regional (that you were a volunteer) and said that someday you would be at the Games. Was that the moment of decision or did you make up your mind prior to that?

I didn’t really know that I was a professional CrossFit athlete until I actually was! Everything leading up to that was just me enjoying myself and trying to become the best most competitive athlete I could be! I knew right away that I wanted to compete at the games but didn’t know for a while that it could become my profession. 

HC: Since your very first games you were considered a big promise. But there was always some event that put you outside the podium. The biggest example was in the 2017 Games the 2223 Intervals, and you ended up finishing in fourth overall. Looking back, do you think that all of these made you become a more mature athlete and more aware of who you are as an athlete?

I try to learn from every mistake that I make. But I don’t think that if I made the podium the few years that I was so close that it would’ve held me back from making it last year and hopefully again this year! I think that those were just unfortunate slip ups that will always be a bit of a bummer! 

HC: Last year you had your worst placement at the Open since you’ve become an athlete. You had to resort to a sanctional to get a spot at the Games which came after a third place at Wodapalooza, a championship you won from ’15-’17. However, the qualifying came only after a lot of changes happened at the leaderboard due to other sanctionals and teams events. Were you ever concerned you would not get the spot? How did that affect how you went into last year’s Games?

Even though it was a difficult qualification process I never doubted that I would be at the games! It was just a little more stressful than I was used to to get there! I think that allowed me to really enjoy the experience of being at the games last year and that put me in a good enough headspace to have my best finish! 

HC: 2019 season did not started great for you but what a great finish it was. Not only you got your first ever event win at the Games but finished second. What do you think was the major change from previous Games to the 2019 Games that got you on the podium?

I think I was a bit of a smarter athlete. I really used the happy but hungry mentally and tried to enjoy myself and have as much fun as possible, by being smart and not attacking the events I knew I wouldn’t win and really going for it on the ones I thought I could! That, combined with good training, a healthy body and perhaps a bit of luck, for me in the podium where I’d always wanted to be! 

HC: You started the final day of last year’s Games wearing that white leader jersey and did great at the swim event. However, after Ringer one and Ringer two, you lost the lead to Fraser. In all of these, did you ever consider the pressure of the white jersey? Or was just a question of not the best workout for you (even though you finished at 4th and 5th on those events)?

I promised myself that I wouldn’t let wearing a leader in Jersey change the way I was performing a put any pressure on. I still wanted to continue to enjoy the experience. Losing it right at the end was unfortunate but was just a poor performance on those two events and nothing more than that that lost it for me!

 HC: You finished in second in 2019 after a brilliant Games and you looked ecstatic.  Can you try to describe what was going on on your mind at that moment?

Thank you so much! It was truly a dream come true for me. Since I started CrossFit back in 2010, I always wanted more than anything to get on the podium at the games. It was a near perfect weekend for me and rather than dwell on not having won, I was very conscious of making sure I would be proud of and enjoy the fact that I came in second!

HC: You had a much better 2020 season so far by placing 6th at the Open (and earning that qualifying spot), plus a third place at both Wodapalooza and Rogue Invitational. You were a certain bet at everybody’s top 5 and did not disappoint. How did you prepare yourself for this fir stage of the CrossFit Games?

Thank you so much once again! This year is really special for me. It was obviously one of the most difficult years around the world for many people and I am proud of the way I persevered through the tough times to continue training well enough to earn a top-five spot. Hopefully this is the only time in history that the games will have to be like this, so I think that it’s special to be one of only five guys that ever get to experience the games in this way. My training was very different than usual because I spent a lot of time training at home and by myself but had a great prep camp a bit TTT and plan to do the same for the finals!

HC: You finished 2nd at the top 5 and you do have experience on a smaller field of athlete after last years top 10. But looking at how the points are distributed for a field of 5 athletes, no mistake can be made. Will that interfere in any way on your training for the next weeks and how you will face every event?

I plan on going out to the games this year having trained as hard as I possibly can so that there are no doubts or regrets and my intention is to win. I will bring a mindset of gratitude and enjoyment and give it my all when the clock starts on every event!

HC: Early this year, Brazilian National Champion, Guilherme Malheiros, spent some time training with you. What did you think of him as an athlete and what was like during this period?

I had an amazing time training with G and the whole Brazilian crew. It was really my first experience spending time with Brazilians and I loved their vibe. They were all really good people who like to train hard and have a good time, just like I do! I think that Gui has an amazing future in the sport and I look forward to seeing what he can do. Perhaps even being able to help him along the way! 

HC: What can we expect in this year’s Games for Noah Ohlsen and in the near future?

Lots of fitness, fun, happiness, success, inspiration, and giving myself back to the community! 

Obrigado, my friends! 

Enable Notifications    Ok No thanks