Fim de Open: como ficamos após o 21.3 e o 21.4?

Compartilhe

Após muitos pedidos, o diretor da CrossFit, Dave Castro, alegrou os fãs e não decepcionou na montagem dos workouts que fecharam a primeira fase da caminhada até o CrossFit Games. Com dois scores separados, Dave uniu a paixão da maioria dos atletas: ginástica e LPO. Apesar da necessidade de esperarmos a revisão por parte dos judges da marca para confirmação dos resultados, podemos apontar alguns nomes que se destacaram nesses e no leaderboard geral.

Vale lembrar ainda que 10% dos homens e 10% das mulheres da América do Sul passam para as quartas-de-final. O HugoCross fez um levantamento de quantas pessoas seriam baseado no número de inscritos e você pode encontrar aqui. Esse é um número aproximado e vale salientar que não temos certeza do número exato pois isso não foi divulgado oficialmente pela CrossFit até o presente momento. Além disso, não significa que todos irão participar. Participar das quartas-de-final exige ainda mais um investimento de 50 dólares, e provavelmente não haverá substituição de nomes em caso de desistência nessa etapa.

Para o grupo de idades, passam os 10% melhores do mundo, uma mudança dos usuais 200 fixados anteriormente. Nesse caso, muitos desses atletas também estão na listagem da elite, e podem optar por focar apenas no age group online qualifier. Pode ser o caso de Éder Costa na 59a colocação na América do Sul que pode tentar a master 35-39 ou Miguel Buzza Roo, adolescente de 16 anos que deve focar em sua categoria mesmo tendo conseguido a 119a colocação geral na América do Sul. Ainda assim o Brasil dominou a primeira etapa. 387 homens dos 708 que passam são brasileiros e 295 das 455 mulheres são brasileiras.

Veja a seguir os destaques do leaderboard desse ano.

Masculino

No cenário mundial quem venceu o Open foi o Canadense Jeffrey Adler. Ele foi o 5o do mundo no Open em 2020 e participou dos Games 2019 tendo ficado na 33a colocação e dos Games em 2020 tendo ficado na 5a colação geral. Destaque para a 5a colocação de Rich Froning Jr. que há muito tempo não ficava tão bem posicionado no Open geral. Por enquanto, quem venceu o 21.3 foi o espanhol Fabian Beneito om o incrível tempo de 7:37 seguido pelo argentino Augustin Richelme com 07:40. No 21.4 a lideranã geral ficou com o americano Graciano Rubio com 365 lbs. Tudo isso ainda depende de validação da CrossFit. Entre os brasileiros podemos destacar:

  • Guilherme Malheiros – o campeão do Open no Brasil ano passado saiu da 9a para a 6a colocação, mas depois de dois grandes resultado no 21.3 e 21.4 garantiu mais uma vez a primeira colocação no leaderboard nacional;
  • Pedro Martins – Sempre no top 3, Pedro foi da 1a para a 3a e finalizou na 2a colocação geral no Open desse ano no Brasil;
  • Anderon Primo – O “champs” brilhou nas últimas duas provas e saltou para a 3a colocação geral.
  • Kaique Cerveny passou a ocupar a 4a colocação geral no leaderboard nacional e
  • Pablo Chalfun, nosso representante nos Games de 2018 finalizou o top 5 nacional;
  • Diego Schmidt – como 10o melhor tempo nacional no 21.2, ele assume a liderança do leaderboard no Brasil.
  • Lucas Almeida (6o), Thainã Beraldo (7o), Lucas da Rosa (8o), Bruno Marins (9o) e Gui Domingues (10o) fecham o top 10 nacional.
  • Thainã Beraldo brilhou no 21.3 como tempo de 08:05 e fez nada menos que o 14o tempo do mundo! E com incríveis 343lbs (156kg) na barra, Guilherme Malheiros fechou o complex em 7o lugar geral no mundo e 1o no Brasil.

Feminino

Entre as mulheres, muitos desconfiaram que ela não iria muito bem por que passou boa parte do intervalo de temporadas treinando bobsled para atentar uma vaga na equipe australiana, mas após punições para as adolescentes que lideravam o leaderboard global, Tia-Clair Toomey finaliza o Open em 1o. Seguida ainda assim pela adolescente de 17 anos e campeã em 2019 na cat 14-15 anos Emma Cary .Tia fechou o 21.3 em 1o com o tempo de 07:37, empatando com o espanhol, e a americana Christine Middleton provavelmente fechou em 1o o 21.4 com 242 lbs.

  • Amanda Fusuma – a baixinha revelação desse ano no TCB confirmou que veio para brigar pela vaga e terminou uo Open no 1o lugar geral no ranking nacional.
  • Lari Cunha – Campeã do Open ano passado, Lari fez o o melhor tempo do Brasil no 21.3 e finalizou o Open no 2o lugar geral no Brasil;
  • Gabi Moratti – Outra revelação após o 2o lugar no TCB 2019 e ganhar o TCB warm up ano passado, Gabi fez a melhor carga entre as mulheres com 218 lbs e garantiu o 3o lugar no ranking nacional;
  • Victoria Fiamma Campos não mora no Brasil, e a brasileira já disputou 3 regionais (2015, 2016 e 2018) no Pacífico, e deve competir no Brasil por uma vaga esse ano finalizou em 4o lugar no Open;
  • Luiza Dias – a baixinha brilhou nesses últimos dois e finaliza o nosso top 5 brasileiro no Open;
  • Jane Silva – com o 6o tempo do 21.1 e o 12o do 21.2, ela assume agora a 4a colocação geral;
  • Luiza Dias – a baixinha brilhou nesses últimos dois e finaliza o nosso top 5 brasileiro no Open;
  • Thaís Nunes (6o), Lumma Roberta (7o), Julia Kato (8o), Adriana Valeska (9o) e Susana Etto (10o) completam nosso top 10.
  • Lari Cunha não apenas fez o melhor tempo nacional no 21.3 como fez também o 16o do mundo nessa prova. E Gabi Moratti fez a 39a melhor carga do mundo no 21.4

Destaques das categorias de idade

Há muitos brasileiros disputando as categorias de idade e sabemos que essa é ainda a primeira etapa. Mesmo assim, como devemos traçar um limite em algum momento, vamos focar apenas nos brasileiros entre os 20 melhores do mundo em cada categoria ou, caso não haja nenhum, em o brasileiro melhor colocado no momento. Se os top 20 atuais fossem para os Games teríamos nada menos que 10 brasileiros classificados, destaque na categoria 16-17 anos que mandaria 3 meninos e 3 meninas. Parece que o futuro do esporte no Brasil é promissor.

  • Maria Cândida permaneceu a brasileira mais bem posicionada na categoria meninas 14-15 na 75a colocação geral;
  • Na 3a colocação, Gustavo Pusch busca sua vaga para seu primeiro CrossFit Games com grandes chances;
  • Após ter se classificado duas vezes na categoria 14-15 anos sem conseguir ir, Eduarda Souza luta pela sua primeira vaga esse ano na 10a colocação geral. E agora ela tem companhia com Maria Lívia Nascimento na 16a e Laís Telles na 20a;
  • Após ter se classificado em 2020 na cat 14-15, as coisas parecem estar indo bem para Miguel Buzza Roo que finalizou o Open na 4a colocação geral. Ele é acompanhado por Bernardo Jardim na 12a e Bernardo Torquato Costa na 19a;
  • Ela ficou em 1o geral após o age group online qualifier ano passado e já tem um Games na bagagem, Susana Etto ocupa atualmente a 33a colocação na cat 35-39 após o Open;
  • Tárcio Santos ocupa a 40a colocação após as últimas provas do Open;
  • Na categoria 40-44, Janaína Barduco Garcia é a brasileira mais bem posicionada na 53a colocação enquanto que Fernando Gonçalves está agora na 5a colocação geral;
  • Na categoria 45-49, os brasileiros Luciane Macias e Luiz Pontes se encontram na 43a e 143a colocação, respectivamente.
  • Anna Maria Lopes (39a colocação) e Massussinei Silva (45a colocação), são os brasileiros melhores posicionados na cat 50-54 anos;
  • Lasara Magnani se classificou para os Games ano passado e está na 9a colocação e o Luiz Sergio Lenda está na 109a na categoria 55-59 anos;
  • Na categoria 60-64 nós temos Socorro Sobreira na 47a colocação geral e Fernando Haselof ocupa a 3a;
  • Por fim, temos Sonia Abade na 285a colocação e Jair Marques na 184a colocação na categoria 65+.
Enable Notifications    OK No thanks